Alergias oculares e a temperatura

As mudanças de temperatura, comuns neste período do ano, aumentam em até 50% dos casos de alergias oculares. O problema pode atingir pacientes de todas as idades, principalmente aqueles que possuem histórico de alergia ocular e sistêmica (rinite, dermatite, asma etc.).

Entre os principais sintomas estão a coceira nos olhos, ardor, sensibilidade a luz, sensação de olho seco, dor ocular, vermelhidão, lacrimejamento e, em alguns casos, secreção e inchaço causados pelas reações imunológicas na córnea e conjuntiva que, podem gerar diminuição da transparência corneana e graves inflamações. Além do uso de colírios antialérgicos e lubrificantes como tratamento sob orientação médica, alguns cuidados especiais podem amenizar ou até mesmo prevenir o quadro.

Seguem 5 dicas para não passar este inverno com olhos vermelhos:

- Lavar as mãos com frequência;

- Evitar coçar os olhos;

- Lavar e secar mantas, cobertores e blusas de lãs guardadas por muito tempo, assim como expor roupas de cama e travesseiros ao sol;

- Limpar o filtro do ar condicionado e evitar frequentar ambientes sem ventilação (dormir em local arejado e umedecido);

- Evitar objetos que acumulem poeira, tais como: cortina, carpete, tapete, bicho de pelúcia, documentos antigos, livros, etc, além da exposição a agentes irritantes, como fumaça e/ou alérgenos (pólen, poeira, pelos de animais e cloro de piscina).

Atenção também deve ser redobrada quanto a automedicação. O procedimento pode camuflar inicialmente o problema, mas não sanará os males causados aos olhos, além de retardar o tratamento correto. É preciso um acompanhamento especializado. Em caso de dúvidas, consulte um oftalmologista sempre!

Categorias de postagens

Dicas de saúde